Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

×

Está aqui

Atletas

Hugo Estrela, categoria de 52kg

Francisco Moura, categoria de 57kg/60kg

Rui Barros, categoria de 60kg/64kg

Miguel Mendonça, categoria de 64kg/67kg

José Semedo, categoria de 69kg

Pedro Almeida, categoria de 69kg

Bruno Pereira, categoria de 75 kg

Ricardo Portugal, categoria de 81kg

Ricardo Fernandes, categoria de 82kg

Gerson Domingo, categoria de 100kg
 

Recordamos uma reportagem do Jornal Sporting com alguns dos atletas 'leoninos'

"Para alcançar o sucesso, não basta um bom professor; é essencial a existência de bons alunos. Os ensinamentos do boxe ‘leonino’ passaram de geração em geração e chegaram aos atletas que, actualmente, lutam de ‘leão’ ao peito. Bruno Pereira dá voz aos segredos aprendidos no Clube. “Assisto diversas vezes ao mesmo combate, olhando apenas para um sítio ou situação em específico. Quanto à minha prestação, dou grande importância aos momentos seguintes ao golpe sofrido. É importante fazer com que o adversário pense que o soco não doeu. Depois, há-que reagir e tentar ganhar o combate por ‘knock-out’”, conta o ‘leão’.

O caminho natural que qualquer atleta quer seguir é o das vitórias, um trilho que muito exige de cada um. “É preciso concentração a 100%, sem isso nada feito. Temos de ir para os treinos com uma mentalidade vencedora, de quem vai combater”, confessa Diogo Gonçalves. “Aprendemos com os erros e devemos dar o nosso melhor para não os voltarmos a repetir. Temos de ser humildes o suficiente para conseguirmos reconhecer que temos sempre alguma coisa para melhorar. É importante estarmos focados em aperfeiçoar a nossa técnica”, explica o jovem de 18 anos.

Nem sempre se pode estar na mó de cima, por isso é importante saber reagir às adversidades. As derrotas fazem parte da vida de qualquer atleta e no caso do boxe isso não é excepção. Hugo Barbosa explica como os insucessos se podem traduzir numa nova vitória. “É nas derrotas que vemos os nossos defeitos, é aí que tiramos mui- tas das nossas aprendizagens”, refere. “Combatemos contra vários tipos de atletas, nunca sabemos o que nos espera dentro do ringue. O adversário também quer ganhar e é nessa altura que temos de ser superiores e usar toda a nossa confiança e concentração. Se fizermos um bom combate, mesmo que não vençamos, sentimo-nos sempre realizados e com mais força e motivação para os próximos. Quanto mais levarmos isto a sério, mais hipóteses de vencer e atingir os nossos objectivos”, aponta o ‘boxeur’.

No Multidesportivo, os atletas aprendem também a manter a serenidade. “Estou muito mais calmo, não me exalto com tanta facilidade”, refere o ‘leão’ Diogo Gonçalves, que explica como a modalidade se traduziu em mudanças práticas no seu dia-a-dia. “Pratico boxe há quatro anos. Comecei aos 14 por intermédio de um amigo e desde então que a minha personalidade mudou bastante. Para além de estar mais sereno, aprendi a concentrar-me e a focar-me melhor nos meus objectivos. A minha forma física também melhorou muito”.